domingo, 29 de agosto de 2010

Conversa que nunca existiu

Há aqueles que foram criados pelos avós. Em geral, lembram-me Norman Bates. Podem usar cardigans, combinam a calçacamisacintosapato e os óculos, estes parecem ter saído de algum túnel do tempo. Poderiam ser trendy, mas são freaky. Eu não conheci meus avós. Nenhum deles. Morreram antes de eu nascer ou viviam longe o suficiente para que não tivesse havido oportunidade de nos conhecer antes de morrer. Durante muito tempo, achei avós uma entidade, nunca compreendi muito bem do que se tratava, e que talvez só existisse em outras famílias. Se senti falta? Honestamente, não. Como sentir falta de algo que nunca tive ou precisei ter? Já tinha uma família grande demais que preenchia com sobra este vazio. Mas um dia me deparei conversando com um avô que nunca conheci. O nome dele era Leandro. Só devia falar castelhano porque era uruguaio. Talvez estatura mediana, um nariz aquilino e queixo pronunciado. Devia ser daqueles clarosqueimadosdesol porque trabalhava no campo. Um bigode estreito bem aparado. Magro de ruim porque era forte e comia muita carne. Com vitalidade, mas não enérgico. Fumante, de cigarro de palha. Os cabelos eram bem lisos e castanhos. Descrevo assim porque existe uma linha comum entre primos e um dos meus irmãos - não eu, eu não o puxei. Há um neto de cada um dos seus filhos que herdou estas características - chega a ser quase assustadoramente resultado de experiência genética hitlerista. Mas enfim a conversa era de uma criança com um venerável senhor idoso. Altivo, porém mais bem mais velho. Que queria mostrar as ovelhas a serem tosqueadas e caminhar pela estrada até onde a vista alcança.

2 comentários:

Before Sunrise disse...

Que lindo!! A conversa foi em um sonho?

Tive o prazer de comhecer todos os meus avos, so meu avo paterno ja morreu, mas o conheci bem. Tenho boas lembrancas da minha infancia e tempo passado com eles... Sinto que nao tenha tido isso, mas ao mesmo tempo, como vc disse - como sentir falta de algo que nunca teve!

Caco disse...

Sim, foi um sonho.
Ele deve estar agora batendo um papo com o meu tio que se foi ontem.
Devem estar fumando um cigarrinho de palha juntos.