sábado, 20 de fevereiro de 2010

A escolha

A escolha de Sofia tornou-se expressão óbvia para decisões como o que escolher entre casar ou comprar uma bicicleta ops já comprei a minha bike. Tomar uma decisão deveria ser um processo simples e objetivo, quase matemático. Só que adicionamos à equação sentimentos, cenários supostos, reações potencialmente explosivas e inesperadas, temores infundados, o coração enfim. E tudo volta para Sofia.

3 comentários:

Ana R. disse...

Sinto que fui escolhida, racionalmente a gente não casa, porque começa a pesar os prós e contras e não sai do lugar. Mas a paixão e o amor, esses sim te arrancam do chão...

Flavia Melissa disse...

E de que outro jeito a vida teria essas cores?

Fernanda S. disse...

Só porque somos reles humanos, Caquito.

Cade vc no Twitter, meu bem?!
Saudade!

PS: siiiim, é a Fezoca barriguda na foto do blog da Flá e sua irmã preta do outro lado! hehe