sábado, 9 de maio de 2009

A chave da dispensa

Tenho um excelente relacionamento com dinheiro. Ele não me põe medo. Administro minhas finanças e fico fixado em contar todos os milréis. Muito embora, como bom engenheiro, este negócio de contar duas casas depois da vírgula me seja penoso, já que esta classe é doutrinada a deixar sempre um coeficiente de folga, vulgarmente chamado de coeficientedecagaço. Mas, enfim, brincar com grana me é quase uma droga. Satisfaz-me ver uma evolução de patrimônio e fixação de metas. E nada melhor do que poder gastá-lo lascivamente ainda que responsavelmente (ou viceversa). Esta é sempre a melhor parte. Não precisa muita grana mesmo porque nunca se tem tudo o que gostaria de ter. O lema é só gastar bem o que se tem para gastar: estourar o orçamento não pode ser opção. Não vale ficar com o gosto amargo da rebordosa chequeespecialspc. Estou eu agora com as chaves da dispensa. Nestes momentos de crise, a matriz niponiana pediu que orçamento fechado para 2009 fosse reduzido em mais 5%. Se já tínhamos cortado todas as gordurinhas no orçamento básico (porque cortar gordurinhas p  o  d  e), agora vamos cortar um pedaço pequeno da carne. Matriz sadista? Acho que sou um pouco masoquista porque eu estou adorando isto.

3 comentários:

milena disse...

Caco!!! Que inveja de ti! Ok que também tenho pavor de chequeespecialspc (este último nunca visitei!), mas tenho uma dificuldade enorme de gastar dentro dos meus limites! Economizar, então não sei. Gasto dentro dos meus limites, mas gasto tudo1 um dia eu aprendo, um dia eu aprendo...

Um abraço.

Caco disse...

Disciplina. Como eu sou um reles mortal, sei que é mais provável eu ter grana porque economizei do que se eu esperar ter um salário estratosférico. Economia.
Beijodaí.

Fernanda S. disse...

hahahha
Controlador ao quadrado!