quarta-feira, 25 de março de 2009

Um post auspicioso

Esta profusão recente de referências indianas aqui no FdG foram evidentemente catalisadas pelo fenômeno dasoito. Mas, o que me interessa mesmo é a estranheza dos sons e vozes indianas. Uma polifonia tão distante daquilo que conhece-se como o bom som, off Rolling Stone, off Capital Radio. Lata Mangeshka estava na trilha sonora de Eternal Sunshine of The Spotless Mind com Wada Na Tod. Há quantos anos mesmo Kate era Clementine? Um tempo depois faixas do Kronos Quartet com Asha Bhosle cruzaram minha trilha. E fiquei num misto de estupefato e maravilhado. Acho que foi em 2006, Dum Maro Dum chocava meus caronas enquanto dirigia para o trabalho. E me viciei nesta venerável senhora. Que mané Bahuan que nada. O negócio é Bollywood, coreografia e roteiro risíveis e filme sem beijo. O Darjeeling Limited é chatíssimo, mas o Slumdog Millionaire é bem sacado. Ashes to Asha, já cantava David Bowie.

6 comentários:

Flavia Melissa disse...

éééééé!

Ana R. disse...

A gente tem que ser assim um pouco arqueólogos para des-cobrir novos sons...Ainda não assisti Slumdog...Anyway...Que mané Bahuan que nada...:)

Caco disse...

Flavinha- É o que?
Ana - Que Mané Bahuan!

Before Sunrise disse...

Tb achei Darjeeling Ltd. mto chato, mas meu irmao adorou... vai entender :) Slundog achei bem feito e achei que poderia ter acontecido no Brasil, nao?

Caco disse...

O Darjeeling é cabeça demais para mim. Eu também tenho limite. Caco Ltd.

Beijodaí.

Lily disse...

Darjeeling, Slumdog? Nahin chanda, nahin suraj. Vá de Laagan!