quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Pare-me se você acha que já ouviu esta antes

Enquanto fico assim sem escrever, sou bombardeado por acontecimentos. Aquele monte de coisas que acontecemtudoaomesmotempoagora que te deixam sem tempo para respirar mentalmente. E a cabeça fica meio embolorada também, afinal chove pacas. De repente, me viciei no Blip.fm. Dá para ouvir um monte de coisas legais que não se acha fácil, e até se encontra gente que escuta bizarrices semelhantes. Estou morando defavô, mas com anfitriões incríveis que me deixam tão confortável que tenho medo de ir ficandoficandoficando. Vou procurando itens para montar o piedàterre mas a disposição se mantém na primeira meia hora de buscas. Depois disso, já decido pela primeira opção que me oferecem. Acreditem ou não, a empresa ainda não me liberou para fazer o Mestrado - estão deliberando indefinidamente - já dá para descobrir o que vai acontecer. Estou trabalhando arduamente, sem tempo para me coçar, e mesmo assim fica um monte de pendências. É bom, porque me esqueço de todas as pequenas mesquinharias do dia a dia. Idle hands are the devil's tools. Enfim, continuo esta minha vidinha desinteressante. Título roubado do Morrissey, o melhor fazedor de títulos de canções do mundo, Stop me if you think that you've heard this one before.

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Eu tô bem! Que mania! Me Laaarga!

Feliz aniversário, Renata Sorrah.

Os apuros de Penélope

Um pouco atrasado, reproduzo o comentário da minha anfitriã sobre o caso da brasileira na Suíça "Que bafão, hem?". Dei risada e comentamos que há gente de tudo quanto é tipo neste mundo. Inclusive advogada, em multinacionais, expatriada na Europa, que forja ataque de neonazistas xenófobos, mutila o próprio corpo, diz que abortou, abortou gêmeos. Depois de toda esta criatividade e a potencial repercussão, acha que não vai acontecer nada. Esqueceu do CSI suíço. Parece um plano tipo Tião-Gavião - tão sofisticadamente elaborado, tão risivelmente realizado.

Lembro-me do pai, em entrevista, dizendo que a filha tinha sido coagida pelas otoridades suíças e chorava sem parar. Naquele momento, ela já havia confessado e chorava compulsivamente de vergonha, quiçá arrependimento. Ah os pais. Ah as proles.

Enquanto isso, na republiqueta ao sul do Equador, o grãovizir já gritava esperneava brandava bravatas.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

O caçador é capturado pela caça

Everyday brings change, and the world puts on a new face. Sudden things rearrange, and this whole world seems like a new place. Sra N abriu um sorriso tímido e as bochechas engrossaram. Não levantou muito o rosto mas olhou para ele assim mesmo, franzindo a testa muito ligeiramente. Sim, aquele olhar irresistível. Secretly I've been tailing you like a fox that prays on a rabbitt. Usou um dos tons de voz mais doces que existem. Sr G se sentiu muito lisojeado, ainda encantador, charmoso, poderoso, viril. Ainda por cima, ela vinha de uma família que se desdobrava em agradá-lo: elogios, respeito, reconhecimento, vinhos, jantares. Ele não se esquecia da visão do decote proporcionado por um botão da blusa aberta. Ele não se esquecia da tensão de quando ela tocou seu ombro com seu seio enquanto se curvava para apontar algo no computador. Ele não se esquecia do cheiro do seu perfume. Had to get you and so I knew I had to learn your ways and habits: you were the catch that I was after. Não esquece o calor do corpo dela quando se abraçaram no dia do aniversário dele: 60 anos. E no aniversário dela: 33 anos. Enquanto todos à volta viam aquela empatia entre os dois, poucos ousavam pensar algo mais a respeito. Ele, cidadão acima de qualquer suspeita. Ela, controversa, mas não, não chegaria tão longe. I looked up and I was in your arms and I knew that I was captured. What's this whole world comin to? Things just ain't the same any time the hunter gets captured by the game.

CORTA.

I had to lay such a tender trap hoping you might fall into it. Sra N tinha aprendido a fazer aquele olhar com 'Mami', como ela chamava a mãe. Esta oscilava entre o furor e a profunda depressão. Aquele olhar aparecia quando Mami olhava para o marido enquanto segurava a ainda pequena Sra N no colo. Adulta, ela passou a usar o mesmo maneirismo para garantir a compaixão das pessoas, reminiscências de alguma simpatia, ou mesmo 'amor', quem sabe? Love hit me with a sudden slap Assim ela garantiu seu casamento há alguns anos com Sr B. Sr G apadrinhou tudo como fossem seus filhos naturais. O destino da vida dela, do fiapo de casamento que ainda mantinha em casa na cidade na família, dependia daquele senhor. Se ele a descartasse, ela cairia em depressão profunda, assim como 'Mami'. 'Papi' - óbvio demais para ser chamado de outra forma - sabia disso. Agiu antecipadamente como um bom pai zeloso. One kiss and then I knew it: my plans didn't work out like I thought 'cause I had laid my trap for you but it seems that I got caught. Beijou o anel do Sr G quando se encontravam, viraram amigosdeinfância, insinuava, promovia a filha enquanto conversavam (e ela, mais distante, nada ouvia mas usava seu olhardaMami). Sr G, bem casado com uma ciumentíssima senhora que o pressionava, não conseguia mais livrar-se da incômoda presença da Sra N. Agora era o mítico caçador que tinha caído na armadilha da caça. What's this whole world comin to? Things just ain't the same any time the hunter gets captured by the game.

Trilha sonora: Massive Attack, The hunter gets captured by the game

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Quinta sem lei


My world is empty without you, baby. My world is empty without you, baby. And as I go my way alone, I find it hard for me to carry on. I need your strength. I need your tender touch. I need the love, my dear, I miss so much. My world is empty without you, baby. My world is empty without you, baby. From this old world I try to hide my face. From this loneliness, there's no hiding place. Inside this cold and empty house I dwell. In darkness with memories, I know so well. My world is empty without you, baby. My world is empty without you, baby. I need love now more than before. I can hardly carry on anymore. My world is empty without you, babe. My world is empty without you, babe.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

As pequenas coisas boas da vida

Há muito tempo atrás, perguntei a um monte de gente o que eram as pequenas coisas boas da vida para elas. Tinha reunido as respostas mas ficaram esquecidas num arquivo do meu notebook antigo. Seria uma pena continuarem escondidas. Partilho abaixo o que me disseram.

1. Abraço apertado e mudo de amigo quando você está se sentindo o cocô do cavalo do bandido;
2. Abraço de criança;
3. Achar dinheiro esquecido no bolso da calça;
4. Achar uma pessoa legal e aí descobrir, sem querer, que ela também te acha legal;
5. Acordar de manhã ao lado da pessoa amada e ficar quieta por uma 1/2 hora, só vendo ela dormir;
6. Andar descalço;
7. Assistir a uma aula entendendo tudo;
8. Bater papo em mesa de bar;
9. Ceia de Natal, com to-da família reunida, mesmo aquelas crianças chatas e barulhentas que durante o resto do ano você costuma de-tes-tar;
10. Chegar da praia mor-ren-do de fome e descobrir sua mãe servindo como almoço sua comida preferida;
11. Chegar em casa após um dia de cão e ver minha filha;
12. Chegar ao fim de um jogo de videogame;
13. Colo de mãe;
14. Comer feijoada no dia seguinte;
15. Comer salgadinho de festa;
16. Comida caseira;
17. Dar presentes a quem você gosta, sem nenhum motivo especial;
18. De vez em quando ficar na nadação (não é natação, é simplesmente fazer nada);
19. Descobrir que um restaurante bem fuleiro tem uma comida dos deuses;
20. Dia de frio/chuva vendo 2 ou 3 filmes no vídeo e de baixo das cobertas;
21. Dirigir além do limite de velocidade;
22. Dormir após o almoço;
23. Dormir em cama com lençol recém trocado e cheiroso;
24. Dormir em frente à TV;
25. Dormir na rede da varanda da casa de praia, depois do almoço;
26. Dormir num dia de frio sabendo que não preciso levantar cedo no outro dia;
27. Enterrar, sem pressa, os ossos da ceia de Natal; E sem se preocupar com a dieta;
28. Espirrar;
29. Estar em um lugar deserto, em cima de um morro vendo o horizonte;
30. Estudar muito para uma prova e ir muito bem;
31. Faltar sem culpa ao trabalho para ir ao cinema ver o lançamento do novo filme de seu diretor preferido, à tarde e no meio da semana;
32. Fazer xixi;
33. Fumar um charuto;
34. Guardar um segredo;
35. Ir à praia;
36. Ir a uma cachoeira;
37. Ir ao cinema e gostar do filme;
38. Jogar bola;
39. Ler jornal de domingo na praia quase deserta, sob sol de primavera;
40. Ler o jornal no domingo de manha no sol durante o inverno;
41. Ler o jornal no domingo de manhã;
42. Ler, na cama, aquele livro que você não consegue largar, até se dar conta de que o dia clareou (e você nem se importa porque é domingo e você não tem mesmo que trabalhar);
43. Ligar o rádio e estar tocando a música em que eu estava pensando;
44. Maço novo de cigarro;
45. Nadar no mar;
46. Ouvir “aquela” música que marcou “aquele” momento;
47. Ouvir um som irado;
48. Pão quente com manteiga e café fresquinho de manhã;
49. Partilhar a felicidade com alguém sem parecer esnobismo;
50. Pisar na bola e não ruborizar;
51. Pizza depois do cinema;
52. Receber carta, ou e-mail;
53. Receber carta/ e-mail/ cartão de amigos que você não vê há muito tempo e saber que eles estão bem;
54. Receber cartas e telefonemas;
55. Receber presentes-surpresa em datas que não são aniversário;
56. Reunir os amigos para beber, cantar, tocar violão, papear; De preferência em Visconde de Mauá, bancando a hippie;
57. Risada de criança;
58. Rolar uma shit session (só falar besteira)
59. Roubar na cozinha os bolinhos de bacalhau que sua mãe está fritando para ceia de Natal;
60. Se dar presentes;
61. Se debulhar em lágrimas no cinema sem vergonha de "pagar mico";
62. Sentir perfume da pessoa amada;
63. Ter cumplicidade com alguém;
64. Tomar água depois duma ressaca;
65. Tomar banho quente demorado no inverno sem ligar para conta de luz;
66. Tomar um chopp bem tirado;
67. Tomar outro chopp;
68. Tomar um Haagen Daaz;
69. Tomar um primeiro copo de cerveja após um jogo de futebol;
70. Usar roupa nova;
71. Ver o Mengão ganhar;
72. Ver por do sol na praia;
73. Sentar na areia, em uma praia deserta e contemplar o pôr-do-sol.

E você, o que você me diria?

Benção sobre um campo estrelado

Santiago de Compostella

Um dia vi na TV um monte de gente caminhando para chegar naquela cidade e cochichei para mim um dia vou fazer o mesmo. O mundo deu voltas e o dia chegou uns 7 anos mais tarde. Mas chegou na hora certa, na hora de Deus. Os 30 dias anteriores de chegar lá foram de caminhada sob sol, lluvia y barro. Peregrino - per agro - aquele que anda pelos campos. Dias de caminhada, dias em que me arrastei, conheci gente, conversei, experimentei, me embriaguei, ri e fotografei - na máquina e na mente. E, no 30º dia, lá cheguei naquela cidade de nome especial. A noite antes da última jornada foi de ansiedade. Acordei cedo, caminhei rápido, sob uma bruma espessa que me acompanhou até o Monte do Gozo. Dali, faltaria pouco. De repente, a bruma sumiu, o sol me encontrou e a cidade se abriu: Santiago de Compostella. Um campo de estrelas - literal ou figurativamente falando - tem de sempre marcar o local daquela cidade abençoada. E eu caminhei no calçamento antigo, adrenalina alta, nó na garganta, olhos marejados, até o destino final: a Catedral. Fui saudado na chegada, admirado nas minhas roupas suadas, na minha bota suja, minha cara barbada e cabelos encaracolados. Rezei na Missa dos Peregrinos, soltei o nó e chorei. Chegar naquela cidade após a jornada marcou a minha fé, me entendi cristão, pecador, arrependido, perdoado. Fez-me um pouco mais diferente, supostamente um naco melhor. Meu céu do meio-dia estava estrelado.

Regras:

  • Escolher o nome da cidade, atual ou da antiguidade, cujo nome ache o mais bonito entre todos os nomes de cidade que você conhece.
  • Postar uma foto dessa cidade.
  • Escrever algo, ou alguma referência sobre a cidade escolhida.
  • Indicar três pessoas para fazerem a mesma coisa:

Li aqui na Alice Salles e indico este memê para todo mundo que estiver a fim.

Créditos da fotografia: a.lo.pejor

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Vivendo de trás pra frente

"Na minha próxima vida, quero viver de trás pra frente. Começar morto, para despachar logo esse assunto. Depois, acordar num lar de idosos e ir-me sentindo melhor a cada dia que passa. Ser expulso porque estou demasiado saudável, ir receber a aposentadoria e começar a trabalhar, recebendo logo um relógio de ouro no primeiro dia. Trabalhar por 40 anos, cada vez mais desenvolto e saudável, até ser jovem o suficiente para entrar na faculdade, embebedar-me diariamente e ser bastante promíscuo. E depois, estar pronto para o secundário e para o primário, antes de virar criança e só brincar, sem responsabilidades. Aí viro um bebê inocente até nascer. Por fim, passo nove meses flutuando num "spa" de luxo, com aquecimento central, serviço de quarto à disposição e espaço maior dia-a-dia, e depois - "Voilà!" - desapareço num orgasmo."

Mensagem circulando na internet. Síndrome de Benjamin Button, certamente, mas é uma perspectiva gostosa para pensar durante a semana.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Fashionably late

Já no final da sua vida, começou a fumar desbragadamente. Aqueles que questionaram tal comportamento foram brindados com uma explicação - singela para uns, incompreensível para outros. Tinha levado uma vida regrada, asceta, quase um monge franciscano descalço. Chegou ao fim da jornada inteiro. Resolveu então farrear, curtir seu cigarro, sem a culpa do passado (a de que isto adiantaria a chegada da Morte). Agora, neste instante, Ela estava atrasada.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Neve que não vivi


img_0405
Originally uploaded by GodEater

Ontem vi as imagens de Londres na TV. Hoje não resisti a ver como ficou a situação em Wapping. Morava naquele prédio à esquerda, num andar entre as duas connecting bridges. Wapping High Street, E1W 2NP. Já que não neva no centro de Londres, acho que este ano eles realmente entraram numa fria. Havia lido que 2008 tinha sido o primeiro ano em que a média da temperatura global havia baixado. Isto tudo talvez seja só um reflexo. Ou talvez seja uma maneira de George W. Bush dar uma risada e uma banana para o aquecimento global.

Vamos para o original?

Amadorismo

Se você achou o post abaixo cansativo, devia pensar duas vezes. Estou descobrindo um bravo mundo novo. É um mundo em que tenho que decidir a altura do armário, o tamanho do espelho, o tipo de luminária, a posição da mesa, a marca de geladeira, o material dos rodízios, a espessura da bancada, o estilo do puxador, a cor da parede. Isto sim é cansativo. Sempre que cheguei a algum lugar, tudo já estava lá: era só usufruir. E agora estou absolutamente perdido no vazio. É complicado abstrair com elementos tão poucos familiares. Trabalha-se em 3 dimensões, sob efeito de luzes, posição relativa do sol, profundidades sugeridas num espaço vazio. Nunca havia pensado nada a respeito na vida. Minha literatura de cabeceira passou a ser Casa, Arquitetura, Design de Interiores - crash course para sair do meu tatibitate de empilhamento de livros. Dicas práticas daqueles abençoados com o dom do bom gosto são sempre bem vindas, sem contar daqueles que têm o bom senso prático. E eu dou risada do meu amadorismo. Assim como o arquiteto.