quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

I'm gonna live the life I sing about in my song

I'm gonna live the life I sing about in my song
I'm gonna stand for right and always shun the wrong
If I'm in the crowd, if I'm alone,
on the streets or in my home:
I'm gonna live the life I sing about in my song.
Everyday, everywhere,
on a busy thoroughfare.
Folks may watch me, some may spot me,
say I'm foolish but I don't care.
I can't sing one thing and then live another,
be saint by day and a devil undercover.
I've got to live the life I sing about in my song.
If at day, if at night,
I must always walk in the light.
Some mistake me, underrate me.
Because I want to do aright.
I can't go to church and shout all day Sunday,
go out and get drunk and raise sand all day Monday.
I've got to live the life, I sing about in my song.

Um monte de gente gravou. Mas o clássico é gospel, quintessência de Mahalia Jackson. Na verdade, é uma celebração de quem você é, do quanto singular você pode ser. É uma lembrança de que temos que ser fiéis a o que acreditamos. Eu canto ou declamo estas palavras. Você pode fazer o mesmo. As exatas mesmas palavras. E elas dirão coisas diferentes. Melodias de vida diferentes. Com Diamanda Galás (nada menos gospel que ela), está tocando incessavelmente no meu Ipod.

Porque I pode.

3 comentários:

Caco disse...

Não resisti ao trocadilho infame do Ipod. Desculpem-me.

disse...

...do quanto singular você pode ser. É uma lembrança de que temos que ser fiéis a o que acreditamos.


Grande abraço!

Flavia Melissa disse...

trocadalhos do carinho, adoro!

claro que I pode. você pode e todo mundo pode (e deve).

beijo :)