terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Storyboard

Se algo precisa ser feito, crio um filminho na minha cabeça. É uma estratégia boba que eu adoto. Monto storyboards mentais, planos e expectativas de realização. Usualmente sigo-os com disciplina. Hitchcock filmava com base nos seus storyboards. Quando chegava ao set, já sabia o que tinha que fazer e a aparência que o filme teria. Eu fico confortável nesta situação, compreendo a obsessão de Hitch. Mas olhando de uma outra perspectiva, vê-se novos elementos. É fato: as coisas saem do controle, independente do meu desejo ou não. É fato: existem oportunidades razoáveis aquieali, descartadas por estar fora do planejado. Só que esta obsessão por controle está me enchendo o saco. Sabe por que? Porque existe vida lá fora. Existe uma vida diferente do que estava no storyboard, igualmente boa, igualmente ruim, igualmente caótica, sujeita a tantos fatores randômicos quanto qualquer outra. Oportunidades e oportunidades que aparecem. Torna-se inútil o controle firme.

2 comentários:

Flavia Melissa disse...

ah, caco, essa mania de querer controlar o mundo é, na verdade, coisa de quem tenta - e não consegue - controlar a si mesmo.

bjoca da suja que fala do mal lavado ;)

Caco disse...

Estou voando baixo para não ser pego pelo radar da torre do Controle...
Beijodaí.