terça-feira, 18 de novembro de 2008

Porto

Depois de meses de chuva contínua, o sol chegou numa sexta-feira. Anunciação. Dirigia o carro na minha bolha de ar condicionado, imune ao mundo exterior. O terreno havia mudado da terra barrenta para uma areia clara e fina. Areia branca. Areia amarela. Areia de praia. E vi o porto, os containers, os navios e os caminhões. E vi os biquinis, os bermudões, as pranchas. E senti o gosto do peixe na brasa. Quando cheguei e vi minha família, ouvi o barulho da ondas batendo na praia. E soube que era um portoseguro.

6 comentários:

Before Sunrise disse...

Amei. Lindo :)

Milena disse...

Como é bom ter um porto. eu tenho um! e se chama "porto velho". e se chama familia. crias. gente. ... estar com elas ajuda a toda macumba ir embora!

um abraço.

Caco disse...

É isso aí: portodechutarmacumba!

Flavia Melissa disse...

ah, e eu, que ainda não achei meu porto seguro neste mundo de meu deus?

Caco disse...

Flavinha: se não achou, inventa um.




;-)

Fernanda S. disse...

Linda descrição! =)