quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Quinta sem lei



the best you ever had

Enchente no Vale do Itajaí

Cheguei à Navegantes - na margem oposta, de frente para Itajaí - numa sexta de sol. Difícil acreditar que chovia há dois meses no local. Quando fui embora e subi a serra em direção à Curitiba, negociei as curvas sob chuva forte, neblina, caminhões e 100 km/h. Agora entendo que aquela chuva era o que o povo lá de baixo no vale vinha conhecendo diaadia. A gota d'água no fim de semana passado fez transbordar os pluviômetros e o mundo veio abaixo. Gente trabalhadeira, casas bonitinhas, quintais bem cuidados, cidades ordeiras - tudo veio abaixo no vale. O caos se instalou e a gente vê lamentavelmente a leidocão em vigor durante os saques aos supermercados. Sim, foi muita chuva, durante muito tempo, mas foi também resultado de ocupação descuidada das cidades - constrói-se onde se pode onde se quer e esqueceram da lição clássica das escolas primárias de que plantar em encosta serve para segurar a terra. E o duro é que isto pode voltar acontecer a qualquer momento, em qualquer outro lugar do Brasilsilsil. Na primeira super enchente que me lembro da região - lá pelos anos 80 - meu irmão saiu da quitinete em que morava num bote, pegou um ônibus e veio para o Rio. Desta vez, ele ficou ilhado em casa com a família em Blumenau. Minha irmã, está na sua casa sobre um morro do vale perto de Pomerode. Em Gaspar, minha sobrinha teve água em casa. Os recém casados em Itajaí não tiveram inundação no seu ninhodeamor. Meu sobrinhoatleta voluntaria-se para ajuda aos necessitados. Enfim, segue-se a vida, combalida vida.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Não ao preconceito racial, não à American Airlines

A esta altura do campeonato, todos já devem ter lido sobre a denúncia de racismo de um comissário de bordo da American Airlines contra o casal Nobre/Bombom. Podem dizer que esta é uma atitude individual e não reflete a política da empresa, mas não voarei por esta companhia aérea até que ela forneça uma evidência clara contra o preconceito racial. Eu, como frequent traveller, digo não à American Airlines.

Demais

Um menino de 12 anos disse para mim eu já vivi demais desta vida.

Ironia

A gente precisa controlar os ímpetos de fúria nas ações e nos pensamentos. Sim, porque fatalmente a gente faz o que a gente pensa. Diante de algumas notícias do final de semana, eu tive vontade de falar uma série de coisas, mas fugi dos meus pensamentos irônicos como o diabo da cruz. Foi um 'milagre', diz deputado que estava em avião da Calypso, ‘Não sou foragido’, diz Pitta sobre decisão que determina sua prisão, Chavismo vence maioria dos estados, mas perde Caracas, sem contar as notícias do post abaixo.

domingo, 23 de novembro de 2008

Desculpe, eu sou atrasado

Correa lamenta decisão do Brasil, mas diz que não cederá com o BNDES
Presidente do Equador disse que não deixará que 'enganem seu país'.Equatorianos entraram com processo para impugnar dívida com o BNDES. (AFP)

Governo Morales anuncia nova lei petrolífera na Bolívia (EFE)

Que tal escavar as fronteiras com a América do Sul? Ficaríamos à deriva no Oceano Atlântico longe deste povo. Não é xenofobia não, mas este é o tipo de vizinhança atrasada da qual a gente precisa se desconectar. Já nos basta o nosso próprio atraso. Falta pouco para algum hugochavezbrasileño sugira uma guerra para anexar o Equador e a Bolívia. Afinal, já temos experiência no ramo - já fizemos estrago considerável no Paraguay.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Ser sedentário é delicioso

Um dia eu disse desculpe hoje não vai rolar porque vou fazer minha caminhada. Torceram o nariz e pediram para eu reconsiderar. E eu disse não posso mesmo, se não caminhar eu vou morrer. Apesar de ter falado sério enquanto dava o ctrlaltdel no final do expediente, deram muita risada de mim. Eu não tinha me apercebido do que eu tinha dito. Mas era verdade. O que me impulsionou para caminhada é de viver com saúde. Meu médico já tinha dito para eu me virar. Sedentarismo é delicioso mas ser ativo é consideravelmente melhor. O objetivo sempre foi correr, algo que eu ensaiava desde Londres, mas sempre desdenhava. Papaidocéu não me desenhou para corridas mas resolvi tentar. Meu joelho peregrino está reclamando mas vou ver até quando ele resiste. Esta semana estou excepcionalmente de molho por causa da minha coluna (maldita má postura lavando louça) mas estou louco para voltar para os treinamentos. Para os 5 km, depois 10 km, depois meia maratona (o Sr F já fez, vou pegar as dicas) e quem sabe os 42km daqui a 3 anos.

A Bolsa foi para o espaço

"A caminhada espacial da astronauta da Nasa Heidemarie Stefanyshyn-Piper, na terça-feira, foi marcada por um acidente inusitado: depois da explosão de um aplicador de graxa, a bolsa de ferramentas dela flutuou para o espaço. Foi um dos maiores objetos já perdidos durante passeios espaciais.
O comentário da astronauta foi curto: 'Ah, que ótimo!'"
Fonte: BBC Brasil

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Porto

Depois de meses de chuva contínua, o sol chegou numa sexta-feira. Anunciação. Dirigia o carro na minha bolha de ar condicionado, imune ao mundo exterior. O terreno havia mudado da terra barrenta para uma areia clara e fina. Areia branca. Areia amarela. Areia de praia. E vi o porto, os containers, os navios e os caminhões. E vi os biquinis, os bermudões, as pranchas. E senti o gosto do peixe na brasa. Quando cheguei e vi minha família, ouvi o barulho da ondas batendo na praia. E soube que era um portoseguro.

Chuta que é macumba

Devo ter feito muita bobagem recentemente. Sim, porque estou numa fase idiota em que todos os meus karmas estão cruzando meu caminho. E quando eu consigo me desvencilhar, parece que voltam todos à minha frente. Um por um. Sucessivamente. Pois é aí que eu digo chuta, chuta forte porque é macumba. Tenho que dar risada, só assim. Ficar tranqüilo, ser condescendente e misericordioso para que isso passe. Logo, se possível.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Quinta sem lei



one day I'll get to you and teach you how to get to purest hell

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Outros, não

Estava eu levando a minha vida de ilustre desconhecido, anônimo num dia comum e absolutamente desinteressante, dando tickinthebox da minha lista de inutilidades. Sempre me choquei descobrir que algumas pessoas lêem o FdG, fora aqueles que estão na minha lista de ligações perigosas. Receber comentários do nada ou, pior, descobrir que lêem e ouvir que nunca comentaram me surpreende mais ainda. Enfim, entrando numa sala para ser atendido e marcar minha consulta, anotam meu nome perfeição como por telepatia sem que eu balbuciasse qualquer coisa, e me perguntam como havia sido meu retorno do exterior. E eu com a minha típica cara de comopodemsaberdetudoisso. Depois observo minha vida ser o assunto de vários minutos de acalorada discussão; sem a minha presença, naturalmente. Virei o centro do mundo por algum tempo. Não, não era um sonho. Realidade tola que me surpreende e me impressiona. Eu penso que a minha vida é desinteressante. Parece que outros, não.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Vacaciones

Estoy de vacaciones. Legalmente obrigado a me afastar da empresa, estou sem fazer nada. vou aproveitar para procurar um teto para sair do meu estado de homelessness, viajar para um casório em família no sábado em SC, estudar para a prova do mestrado na segunda. Hoje saí de manhã com uma lista de coisas inúteis para fazer. Na hora do almoço, eu já havia quase zerado a lista. Ah a inutilidade.

High and dry

Créditos: autor desconhecido

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

3:35

A fúria passou por mim e deixou uma sensação de esgotamento. Como se minha energia tivesse sido sugada, succionada. Abatido, acordei às 3:35 pela segunda noite seguida. Literatura: NatGeo Brasil, Química Orgânica. TV: The West Wing, Jornal SBT da Manhã, Pelo Mundo. Escrita: meu moleskine. Som: pássaros, caminhões na estrada. Cores: pretume da noite, amarelo da manhã. Temperatura: pés gelados malditocoldlimbs. Movimento: horário e anti-horário em baixo do lençol. Aroma: de café.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

HO

Jack Chan diz que, todas as vezes que as pessoas o encontram, elas se posicionam como prestes a dar um golpe de judô, movem seus braços e gritam Jack Chan HO!

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Massacre de informação

Eu já sei que Obama foi criado pela avó no Havaí. E que ela morreu ontem. E que a família dele mora no Quênia. E que John McCain foi capturado na Guerra do Vietnam. E se quebrou todo. E foi torturado. E voltou como herói de guerra. Os braços deles parecem estar engessados, prontos para um abraço. E que Sarah Palin foi um tiro no pé, uma piada enfim. Por favor, será que alguém poderia me dizer algo que ainda não foi dito?

Grudou

domingo, 2 de novembro de 2008

Antes do fim da corrida

Sempre curti dirigir, acelerar, testar os limites em curvas, apertar todos os botões do painel, trocar marchas rapidamente 0 a 100 em 4 segundos. Já rodei feio na estrada por conta disto, e não me orgulho nem um pouco. Mas dirigir é muito bom. Tenho Emerson Fittipaldi reidacosteleta na memória, com a coroa de louros, um puta troféu e a champagne. Acho que era a influência de Roberto Carlos a 300 km/h em 1971, enquanto eu nascia. Massa está menos insustentável neste ano, mas qualquer coisa é melhor que o Hamilton o reidaarrogância. Senna morreu e fiquei perplexo - como é que o super homem morre? Ainda gosto do fiel escudeiro Gerhard Berger. Piquetzão e Piquetzinho - o rei e o príncipedolimão, sem maiores comentários. Fittipaldi virou o Pelé das pistas, quase atemporal. Reginaldo Leme, oneofthelastgentlemeninthebusiness. O carro negro John Player Special era um ícone das pistas, bem como todas as propagandas de cigarros - Marlboro, Gitanes, Benson & Hedges.