sábado, 12 de julho de 2008

Viva a diferença

Antes de voltar, tentei formar uma opinião sobre a China. Troquei opiniões com meu companheiro de jornada, o irlandês Sr J, e chegamos a um adjetivo banal: diferente. É lugar diferente de tudo que já tínhamos visto, e muito mais diferente do que eu esperava. Vou descrever algumas coisas; procurei ser um bom observador, evitando julgamentos óbvios e inúteis. Cruzei a China de norte a sul: Beijing, Xian, ChongQing, o rio Yang-tse, Longsheng, Yangshuo, Hong Kong. Peguei metrô cheio, táxi barato, ônibus dirigidos perigosamente, trens noite a dentro e a fora, bicicletas por campos e cidades e os meus dois pés também me carregaram a muitos lugares. Até o último dia esperei ver comunas, todos vestidos igualmente com o paletó do chairman Mao, atmosfera opressiva. Nada, nada disso. O que vi foi um país crescendo, ferozmente comercial, uma população relativamente feliz e ainda majoritariamente obediente ao seu governo central. É definitivamente aquele o país que está carregando o crescimento do mundo. Se houver uma crise econômica ou política, efervescência ou rebeldia social que breque o seu (deles) crescimento, o mundo inteiro vai entrar numa crise magnífica. Não sei se eles têm a real ciência disto. Uma ameaça adormecida.

4 comentários:

João M disse...

Se você fosse com uns 20 anos de antecedência, veria os tais comunas.

Daqui a 20 anos a China vai ser mais diferente ainda, aguarde e confira.

Caco disse...

JOÃO - Sim, talvez. Mas esta foi uma vontade frustrada. Enfim...

Fernanda S. disse...

Mas que delícia... um post cheio de vida! Nem imagino o que é a China. Espero um dia passar por lá!

Caco disse...

FE - Vá sim! Vale a pena! Beijo.