quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

Plantão do FdG

Amanhã desligo meu telefone e internet daqui da pequena londres. Minha contribuição à blogsfera fica temporariamente sujeita às benesses dos meus amigos, no intervalo do trampo ou à visita a cybercafés . Vou guardando as idéias, anotando aqui e ali, para depois amalgamar num post qualquer. Uns rabiscam no moleskine, outros registram no seu PDA. Como diz o Sr. S., 'serve até papel de pão', desde que o faça. Vou tentar me disciplinar.

Já estou vivendo novamente em acampamento. Só que agora é um de guerra. Sem geladeira, nem guarda-roupas ou microondas. Resta a TV, um VCR (sim, ainda tenho um), um DVD player, este notebook, minhas roupas espalhadasempilhadas sobre o colchão e malas. Desconsidere os itens de cozinha e limpeza - são de pouca serventia neste instante. Estou sentado no chão agora, sem cadeiras à disposição. Ter peregrinado me imunizou para este estado de coisas, já não me afeta mais. Ache graça nisto, não precisa se apiedar.

Daqui a alguns dias chega o Carnaval e mais um ano se acaba. O Ano Novo Brasileiro se inicia e eu 'vou limpar o trecho' (obrigado Sr. W.). Vou tirar alguns dias de folga, rever família e velhos amigos e me despedir de todos. Estou me despedindo dos colegas de trabalho, da vizinhança. Acho que tenho que dizer um adeus para mim mesmo para me reencontrar no Ano Novo. Renovar-me com novos ventos, um banho de mar, uma nova língua, um novo modelo mental, um choque de temperatura de 30° serei submetido ao processo de têmpera.

Me despeço agoraporenquanto de vocês para dizer que volto na próxima edição regular do FdG (talvez já a partir da grande londres) ou a qualquer momento em edição extraordinária. Sintam-se abraçados.

sábado, 10 de fevereiro de 2007

Beauty inspires obsession #5


Na sua campanha para 2007 "Year of a Million Dreams", a Disney promove seus parques temáticos, sua diversão e entretenimento trocando todas os potenciais benefícios materiais pela sutil realização de seus sonhos. As peças de publicidade para mídia impressa são feitas pela fotógrafa Annie Leibovitz e trazem estrelas mundiais encarnando sonhos de se transformar em personagem da Terra Encantada. A Disney é capaz de fazer isto como ninguém.

É essencial a sintonia da publicidade com a sociedade onde ela está inserida. Os japoneses, com altíssimo padrão de vida, consumismo à flor da pele, não vendem mais objetos em si nas suas propagandas - principalmente automóveis. É vendido um conceito para sua vida, um significado. Todas as necessidade básicas de transporte do japonês já são atendidas pela variedade enorme de modelos.

A Disney vem de encontro a isto. Talvez muitos na América, quiçá no mundo, já tenham ido à Disney. Ela renova o desejo de voltar, ou vir pela primeira vez à Disney, pela oportunidade de sonhar e se transformar em algo primoroso. Assim como as peças que podem ser vista nos links abaixo.

Scarlett Johansson - Where every Cinderella story comes true
Beckham - Where imagination saves the day
Beyoncé, Lyle Lovett, Oliver Platt - Where wonderland is your destiny

E as informações de sempre: cachês doados para instituições de caridade. Produção de primeira categoria. Segunda rodada deverá incluir Peter Pan, Sininho e a sereia Ariel. Sem contar Beckham, já em sua invasão napoleônica à América.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2007

Habilidade = talento x exercício



Originally uploaded by Sergio Alves.
Tem gente que é generosa por natureza. Esta é uma das características que mais me impressiona nas pessoas. Talvez pelo fato de eu ser tão reservado, tão na minha.

Os extremismos me são muito chocantes: desde um invasionismo de privacidade ou até um absenteísmo absoluto. Pressiona-se o dedo no outro ou some-se do campo para perder por w.o. O meio termo vira sinônimo de ser medíocre.

Por outro lado, abre-se a oportunidade de usar o equilíbrio. O balanço torna-se a grande mágica. Se habilidade = talento x exercício, então tenho que exercitar muito para chegar chegar ao nível do meu amigo Sr S. Não pelo fato dele ser um fotógrafo incrível, mas por ele ter sido de uma generosidade formidável quando eu mais precisei.

Sr. S. virou matéria de revista e deixa a todos nós seus afortunados amigos com um puta orgulho.

domingo, 4 de fevereiro de 2007

Meio-ambiente e futuras gerações

Se você não se preocupa com a onda de notícias sobre aquecimento global, efeito estufa, protocolo de Kyoto, então saiba que é hora de se engajar. Pessoalmente, nunca fui um daqueles que abraça uma tendência assim que ela aparece. Nos anos 80, achava a história de Partido Verde muito bonitinha mas utópica. Mas hoje sei que os caras estavam enxergando um pouco além do que a média e, com certeza, muito mais do que eu.

Água é o petróleo do futuro. Já repararam como a Nestlé está comprando fontes de água e bottlers? Ela vai ser a futura Shell, BR ou BP - podem anotar. Ela já sacou que vai ser aí que ela vai ganhar dinheiro, não mais com leite, café ou biscoitos. Ela vai negociar um bem essencial futuramente escasso.

Este nosso estilo de consumo excessivo, dispensável, está desperdiçando energia - o que vai fazer muita muita falta. O lixo que não damos muita atenção dá a dica para o quanto perdulários estamos sendo. Quando comecei a fazer coleta seletiva em casa fiquei estupefato com a quantidade de material reciclável que jogava fora. Hoje em dia, este é um item para atenção desde a compra dos produtos.

Maiores volumes são usualmente melhores. São mais baratos pelo menor custo de fabricação das embalagens. É essencial que as unidades vazias sejam separadas e destinadas para reciclagem. O pensamento usual é ah aqui não tem coleta seletiva mas com certeza há um catador que leva para uma unidade qualquer de reciclagem. Não dá para esperar o governo, nada de se lamentar por eles, o que vale é o que a gente faz, individualmente. Dispense as sacolinhas plásticas das lojas: se der, leve na mão (no bolso, entre seus acompanhantes, na mochila) os produtos comprados. Prefira as unidades produzidas com material reciclável ou feitas de uma forma sustentável. Talvez não seja possível ser assim 100% do tempo mas uma atitude consciente vai fazer a diferença.

A temperatura está mais alta, reparou? Isto é um fato. Não é mais blah blah blah. Não é mais ignoravelmente latente - é sensível, está batendo à nossa porta. A Floresta Amazônica está indo para a cucuia. E o quanto estamos contribuindo para isto?

Isto não é ser eco-chato. Isto é olhar pelas futuras gerações, a sua ou a daqueles que a gente gosta. O quanto dá para contribuir para um futuro ambientalmente melhor? Melhor ainda, caros leitores e amigos bloggers, como podemos influenciar para garantir nosso futuro?

sábado, 3 de fevereiro de 2007

O amor realmente está em todo lugar

ou "Uma abertura que não esqueço #2"



"Whenever I get gloomy with the state of the world, I think about the 'Arrivals' gate at Heathrow Airport. General opinion is starting to make up that we live in a world of hatred and greed. But I don't see that. It seems to me that love is everywhere. Often it is not particularly dignified or newsworthy but it always there: fathers and sons, mothers and daughters, husbands and wives, boyfriends, girlfriends, old friends. When the planes hit the Twin Towers, as far as I know, none of the phone calls from the people on board were messages of hate or revenge. They were all messages of love. If you look for it, I've got a sneaky feeling that you will find out that love actually is all around." (Voice over: HG.)