sábado, 2 de dezembro de 2006

A rainha está morta

A primeira vez que vi os stills do The Queen fiquei impressionado com a semelhança ou impersonation de Dame Mirren com Elizabeth II. We can go for a walk where it's quiet and dry and talk about precious things like love and law and poverty, these are the things that kill me. Por enquanto, só li críticas do filme que são, quase sempre, bastante positivas. Só que a película deve dizer mais aos britânicos, talvez aos europeus ou americanos, mas pouco aos brasileiros. É muito distante da nossa realidade o que a monarca britânica possa estar pensando ou potenciais angústias que sofra. We can go for a walk where it's quiet and dry and talk about precious things but the rain that flattens my hair, these are the things that kill me. Estamos mais atentos a o que Vossa Majestade Barbuda anda fazendo - como por exemplo, o absolutamente desinteressante eixo África-América do Sul. Em vez de 'anda fazendo' poderia dizer o que 'não anda fazendo'. Muito mais interessante do V.M. Barbuda faz, é o que a periferia brasileira vem fazendo e sendo mostrado pela Regina Casé, ou o Retrato Falado de Denise Fraga. É a vida como ela é. Past the Pub who saps your body and the church who'll snatch your money, the Queen is dead, boys. And it's so lonely on a limb. Por vezes tenho vontade de sair com a minha máquina digital e registrar o cotidiano da rua. Mas sempre achei tudo tão banal, tão pouco digno de registro e receio ter já me acostumado e não conseguir mais me espantar com as particularidades da vizinhança. A República em frente de casa, o cemitério na outra esquina e os estudantes na saída da escola. Past the Pub that wrecks your body and the church - all they want is your money. The Queen is dead, boys. And it's so lonely on a limb.

Nenhum comentário: