quarta-feira, 27 de dezembro de 2006

Salte para 2007


Clique no play - esta é a trilha sonora deste post.

2007 está bem aí à nossa frente. Bate aquela ansiedade, aquele friozinho na barriga. Não é medo, é só aquela vontade que ele chegue logo e nos impulsione. There’s only so much you can learn in one place. The more that I wait, then more time that I waste. O Grande Salto Para Frente. Estamos na porta do avião, prontos para o salto de para-quedas. Vento sopra que ensurdece. Adrenalina. Batimentos cardíacos acelerados. Não quero esquecer 2006 - ele me fez lembrar que eu sou cigano, peregrino, vivo em acampamento e com mochila nas costas - por mais VIP que eu pareça ser. O significado de desbravador passa a ter sentido, o mundo não está a meu favor mas eu posso mudá-lo. I haven’t got much time to waste, it’s time to make my way. I’m not afraid what I’ll face, but I’m afraid to stay. I’m going down my own road and I can make it alone. I'll work and I'll fight till I find a place of my own. Graças a alguns amigos, pela primeira vez, eu fui associado ao termo desapegado e isto também passou a fazer sentido. Até o sentido negativo. A quem quisesse ouvir, assegurei que tomava as decisões e não olhava para trás para o 'mas, e se...?' Estava pronto para o salto. Are you ready to jump? Get ready to jump. Don’t ever look back, oh baby, Yes, I’m ready to jump. Just take my hands. Get ready to jump. A turminha da psicologia diz que a pessoa é formada na infância até os 6 anos, no máximo. O estrago é feito, este é você, viva-se com isto. A família é tudo neste momento e tenho procurado entender quem era aquele moleque antes dos 6. Isto é meio difícil porque a minha memória é, por vezes, prodigiosa mas já foi meio danificada pelos excessos das drogas lícitas. Não deu tempo para começar a recomendada Análise. Mas a minha história está aí - irmãos e amigos de infância estão me ajudando nos trabalhos arqueológicos. We learned our lesson from the start, my sisters and me. The only thing you can depend on is your family. And life’s gonna drop you down like the limbs of a tree. It sways and it swings and it bends until it makes you see. Todas as certezas que eu pensei que tivesse, parecem-me agora que inventei e repetia à exaustão para meu próprio convencimento. Não era nada disto. Quase ferrei com tudo. Acho que descobri a tempo. I can make alone. Estou pronto para saltar para 2007. Apronte-se também. Se quiser saltar junto comigo, vai ser muito legal. Vamos lá? Get ready to, are you ready?

5 sentidos: audição

Meu pai nunca foi uma pessoa que dava ouvidos às opiniões das outras pessoas. A crença nas suas próprias idéias era messiânica. Esta obstinação e firmeza foi motivo de atritos na família em várias ocasiões. Mas o respeito à figura paterna sempre prevaleceu entre todos em casa. Isto nos fez aprender a ser displinados e respeitar a autoridade que, afinal de contas, tinha muito mais visão e experiência que todos nós juntos. E que pagava todas as contas sob o nosso teto. O tempo passou e todas as crianças cresceram e caíram no mundo e criaram suas próprias crenças. Há muito tempo, meu pai sofre de uma surdez que foi degenerando quase completamente sua capacidade auditiva. Hoje em dia, mesmo se você gritar a plenos pulmões, dificilmente ele escutará. Crueldade talvez agora ele pudesse nos dar ouvidos.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2006

Feliz Natal

Deixo tudo para última hora - está lá no meu perfil. Depois de me culpar estressar preocupar muito por isto, resolvi assumir este meu lado last-minute. Escrevo este post enquanto levo parte da mudança para o carro, deixo a lembrancinha de Natal para a minha vizinha, janto um hamburguer, respondo aos meus e-mails essenciais. Ainda tenho que arrumar a mala e guardar os presentes. Mas Jesus toma conta. Amanhã dirijo 1000 km para o Rio de Janeiro para passar o Natal com meus pais. Sim, tenho que mimar os velhos porque logo partirei para mais longe ainda.

Enquanto isto tudo acontecia, pensava no meu 2006. PQP: foi bom. Nada de mar de rosas, mas vôo turbulento. Porém só consigo me lembrar das coisas boas. Até meu ombro parou de doer. Revi velhos amigos e até gente dada por desaparecida. Trabalho tranqüilo, coisas realizadas, caminhos desbravados. Ciclos se encerram, novos se instalam. E desde abril tenho conhecido um monte de bloggers que são show de bola. Gente com razão e sensibilidade. Generosos. Escrevem horrivelmente bem - se tornaram bookmarks, dangerous liaisons. Este post é para vocês. Obrigado por terem feito parte do meu 2006:

ALEXANDRE sua fúria é contagiosa, ANDRÉ você me inspirou a começar a blogar, MARINA me ensina como cotidiano pode ser glamouroso, DOC is an eternal inspiration, FLOR tem sensibilidade à flor da pele, EDMONT vê o mundo com olhos de águia, LOU pensa que é triste mas tem os olhos cheios de alegria, FELIPE ah ele é fogo, FLAVIA chegou de mansinho, OMAR é bom mas quando ele marca as opiniões ah é melhor ainda, GABEIRA significou um monte para mim neste ano, STRANGER ficou closer, MARYOSHKA quer fugir para o inverno siberiano das idéias mas ah não vou deixar, JOÃOZITO NABABU é e sempre foi uma figurinha na melhor acepção da palavra, viajei nas viagens do pequeno PIRATE, SANDMAN está se tornando um cavaleiro Jedi em eterna luta consigo mesmo no seu caminho do bem, fui atingido pela metralhadora ambulante do SEM DESTINATÁRIO, acompanho GIOVANA mostrar a que veio, e não me canso de rir com os comentários das DAMAS & MESTRE DELIH. LIL' MS. SUNRISE obrigado por tudo e por aquilo que você nem desconfia.

E para você aí lendo agora, fique feliz & stay splendid. Feliz Natal para todos vocês.

Este blog entra em recesso e só volta algum dia depois do Natal.
Já com saudades...

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

Nomes #3

Segue abaixo uma lista dos parlamentares que aprovaram o aumento mais vergonhoso do ano. Depois de chafurdarem na lama e sentirem ofendidos pela opinião pública, talvez tenha sido esta a oportunidade para resgatar os seus deles egos e renascer das cinzas. Pois também é mais uma chance de nos tornarmos mais conscientes da importância do nosso voto e para quem ele vai.

* Aldo Rebelo (PC do B-SP) - dep.aldorebelo@camara.gov.br
* Renan Calheiros (PMDB-AL) - renan.calheiros@senador.gov.br
* Ciro Nogueira (PP-PI) - dep.cironogueira@camara.gov.br
* Jorge Alberto (PMDB-SE) - dep.jorgealberto@camara.gov.br
* Luciano Castro (PL-RR) - dep.lucianocastro@camara.gov.br
* José Múcio (PTB-PE) - dep.josemuciomonteiro@camara.gov.br
* Wilson Santiago (PMDB-PB) - dep.wilsonsantiago@camara.gov.br
* Miro Teixeira (PDT-RJ) - dep.miroteixeira@camara.gov.br
* Sandra Rosado (PSB-RN) - dep.sandrarosado@camara.gov.br
* Coubert Martins (PPS-BA) - dep.colbertmartins@camara.gov.br
* Bismarck Maia (PSDB-CE) - dep.bismarckmaia@camara.gov.br
* Rodrigo Maia (PFL-RJ) - dep.rodrigomaia@camara.gov.br
* José Carlos Aleluia (PFL-BA) - dep.josecarlosaleluia@camara.gov.br
* Sandro Mabel (PL-GO) - dep.sandromabel@camara.gov.br
* Givaldo Carimbão (PSB-AL) - dep.givaldocarimbao@camara.gov.br
* Arlindo Chinaglia (PT-SP) - dep.arlindochinaglia@camara.gov.br
* Inácio Arruda (PC do B-CE) - dep.inacioarruda@camara.gov.br
* Carlos Willian (PTC-MG) - dep.carloswillian@camara.gov.br
* Mário Heringer (PDT-MG) - dep.marioheringer@camara.gov.br
* Inocêncio Oliveira (PL-PE) - dep.inocenciooliveira@camara.gov.br
* Demóstenes Torres (PFL-GO) - demostenes.torres@senador.gov.br
* Efraim Moraes (PFL-PB) - efraim.morais@senador.gov.br
* Tião Viana (PT-AC) - tiao.viana@senador.gov.br
* Ney Suassuna (PMDB-PB) - ney.suassuna@senador.gov.br
* Benedito de Lira (PL-AL) - dep.beneditodelira@camara.gov.br
* Ideli Salvatti (PT-SC) - ideli.salvatti@senadora.gov.br

Esta lista é divulgada a partir do site da minha ligação perigosa Nababu.

domingo, 17 de dezembro de 2006

Recomendação essencial

Minha cabeça tem estado ocupada com muitos assuntos que dizem respeito somente a mim. Acho que seria muito entediante ficar falando do meu umbigo. Preocupações cotidianas. Festas de fim-de-ano daqui a pouco. Viagens a organizar. Projetos a encerrar. Hora de fechar 2006. Hora de abrir 2007. Aquela adrenalina que sobe aos poucos quando eu penso no que está por vir. Que nada está muito certo ainda e as possibilidades estão aí. E eu, que gosto de ter tudo sob controle, fico ansioso.

Mas me disseram não esquenta, resolva as coisas essenciais e deixe o resto porque tudo vai dar certo. Resolvi acatar a recomendação.

sexta-feira, 15 de dezembro de 2006

Dia de salvar o mundo


Skol!
Originally uploaded by Alex.Speziali.
As pessoas pensam que o último dia para resolverem todas as suas pendências são as sextas-feiras. Por conta disto marcam reuniões atrás de reuniões, não deixam o telefone quieto, aparecem na sua sala para discutir aquele assunto inadiável. Sexta é o os dia de salvar o mundo. Sextas podem tornar-se estressantes e eu, eu odeio me estressar e odeio que as pessoas que trabalham comigo fiquem estressadas.

Minha sexta-feira termina, não oficialmente, às 16 horas. Não inicio nada grandioso depois deste horário para não ficar tentado a fazer horas extras. Fico resolvendo as coisas mais simples e curtas e absolutamente disponível para que qualquer emergência seja tratada no período mais breve de tempo.

E chegar em casa tranqüilamente e olhar para a cerveja e olhar para a paisagem e dizer 'missão cumprida'.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

Vale dos Reis

O que vai acontecer quando Chico Anysio morrer? E o Roberto Carlos? E a Hebe? Estes três parecem onipresentes. Acho que já imprimiram algo no DNA dos brasileiros e parecem que as crianças já nascem sabendo quem eles são. Chico é um ícone do humor, Natal sem Roberto não é o mesmo, e Hebe é uma gracinha parece que não muda nunca. Confesso que não assisto a nenhum dos três mas a presença deles ali parece essencial. O país vai parar. Sete dias com bandeiras a meio pau. Cortejo fúnebre com a urna funerária sobre caminhão dos bombeiros. Multidões na rua. Processos de canonização. E, no dia de finados, haverá peregrinação a seus túmulos. Mas então a vida continua e vai ficar um vazio meio patético. E as novas gerações talvez não entendam a comoção. Até que sejam esquecidos no vale dos reis. Tutankamon, Ramsés, Nefertiti.

Pinochet morre. Leva com ele o fantasma de milhares de mortes. Não descansará em paz.

domingo, 10 de dezembro de 2006

15 merecidos minutos de fama

Atos heróicos são usualmente tratados como vontade exagerada de aparecer. Criamos um modelo mental para desprezar o que é uma virtude, se possível destrui-la, não deixar que ela se mostre. Não reconhecer o que é um diferencial no outro é sempre a primeira opção. Nivelamos por baixo e queremos sempre a mediocridade - que o médio mesquinho prevaleça.

Aí aparece um cara, pula no rio e resgata a mãe e filho que caíram no rio Pinheiros. Leia aqui a história completa.

Antes de voltarmos à Pizzaria Mensalão, tenho que dizer: este cara fez uma coisa muito legal. Queria mesmo que mais gente fizesse tantas coisas boas assim (heróicas ou menores) e não se envergonhasse nem por fazer, nem por ter 15 bem merecidos minutos de fama. Senão, deixaremos afogar o que temos de bom na sujeira de um rio.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2006

Estive pensando

Tem horas na vida que a gente quer assentar. Parar e deixar a poeira baixar e poder ver o horizonte com mais clareza. De repente me descobri assim.

E aí vi que estava de novo dentro da barraca de camping. Dormindo no meu saco de dormir tranqüilamente. Enquanto lá fora o vento da noite tinha virado um vendaval que insistia em tirar os grampos mal firmados no chão. E eu dormia. Tranqüilamente. Tinha tirado apenas umas coisas de dentro da mochila, minha companheira, só coisas essenciais para a noite. Nem a desarrumei. E ela ficou ao meu lado toda a noite. O sol da manhã me avisou que era hora de aproveitar o dia. Firmar os grampos novamente. Tirar a areia de cima da mochila, enrolar o saco de dormir, escovar os dentes, arrumar a cabeleira. Acho que eu tinha uns 10 anos nesta época.

Estive pensando.

Nunca consegui me assentar. Sinais de poeira baixando era só o prenúncio que outro vendaval estava a caminho.

Minhas parcas tentativas de favorecimento para que as minhas raízes crescessem e se apegassem foram frustradas. O meu sangue nômade, cigano, peregrino tem prevalecido. A decepção por não conseguir atingir a estabilidade me corroi suavemente. Na verdade, acho que a corrosão é apenas pela falta de percepção de que a felicidade não está ali. Mais inteligente seria aceitar a condição sempre temporária, nunca perene, da minha vida. Entender que o repouso não combina com o meu momentum. Estar preparado para arrumar a mochila e desfazer o acampamento a qualquer hora é o que tem me movido. Impulsiona para a próxima parada. Pouso temporário para o repouso. Até a próxima parada.

Pick of the week: Guillemots, Trains to Brazil



(You're feelin' old...) It's 1 o' clock on a Friday morning. I'm trying to keep my back from the wall. The prophets and their bombs have had another success. And i'm wondering why we bother at all. And I think of you on cold winter mornings. Darling they remind me of when we were at school. Nothing really mattered when you called out my name. In fact, nothing really mattered at all. And I think about how long it will take them to blow us away. But I won't get me down, I'm just thankful to be facing the day. Cos days don't get you far when you're gone. It's 5 o'clock on a Friday morning. One hundred telephones shake and ring and one of them is from someone who knew you... And I still think of you on cold winter mornings. Darling they'll still remind me of when we were at school. When they could never have persuaded me that lives like yours were in the hands of these erroneous fools. And to those of you who moan your lives through one day to the next, well let them take you next. Cos you live and be thankful you're here. See it could be you tomorrow next year.
Watch the non-acoustic version here.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

Coloque sua mão no seu rosto


put your hand on your face
Originally uploaded by stereoleo.
Quis ter bloggado esta foto antes, logo depois que o Gol 1907 caiu. Ela teria então um significado. Mas o Flickr não aceitou a comunicação com o FdG em formato beta e acabei desistindo. Agora, tendo ajustada a configuração, tropecei de novo na foto. Que conveniente, pensei. Depois do post de ontem, exatamente a mesma foto adquire um novo significado.

Aproveito para inserir uma historieta da Laurie Anderson chamada "From The Air":
Good evening. This is your Captain. We are about to attempt the crash landing. Please extinguish all cigarettes. Place your tray tables in their upright locked position. Your Captain says: Put your head on your knees. Captain says: Put your head on your hands. Captain says: Put your hands on your head. Put your hands on your hips. Heh heh. This is your Captain - we are going down. We are all going down, together. And I said: Uh oh. This is gonna be some day. Standby. This is the time. And this is the record of the time. This is the time. And this is the record of the time. Uh-this is your Captain again. You know, I've got this funny feeling I've seen this all before. Why? Cause I'm a caveman. Why? Cause I've got eyes in the back of my head. Why? It's the heat. Standby. This is the time. And this is the record of the time. This is the time. And this is the record of the time. Put your hands over your eyes. Jump out of the plane. There is no pilot. You are not alone. Standby. This is the time. And this is the record of the time. This is the time. And this is the record of the time.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2006

Leitura dos fatos

  • Os controladores de vôo brasileiros trabalham sobre-carregados e sob-pressão.
  • Há controladores de menos nas torres de controle.
  • Há buracos negros no céu do Norte e Centro-Oeste brasileiros em que aeronaves desaparecem dos radares.
  • A Aeronáutica afirma sempre o contrário.
  • Houve uma má comunicação entre a torre e os pilotos do Legacy.
  • Controladores de vôo brasileiros não falam inglês apropriadamente.
  • Um Boeing novinho em folha é derrubado. Cento e cinqüenta e quatro pessoas a bordo morreram.
  • O caos é instalado na malha aérea brasileira. Reação em cadeia após o acidente.

Tudo isto quer dizer algo. Não é necessário ser rocket scientist para fazer a leitura dos fatos.

A controvérsia de Annabel Port

Todas as noites na Virgin Radio, Annabel Port manda ver no seu Porting Controversy. Ela simplesmente detona com um senso comum com argumentos concretos e divertidos. Praticamente, ela é capaz de mandar um vaca sagrada para o abatedouro. Hoje resolvi redigir uma controvérsia inspirada no quadro de Annabel. Talvez a locutora lesse isto:
"Juliana Paes é uma linda mulher". Juliana é considerada uma das mulheres mais bonitas do mundo. Mas quem a elegeu deve tê-la visto em fotos de revista. E todos nós sabemos os milagres feitos pelo Photoshop. Ela tem um corpão, digno de uma brasileirona, assim como uma Beyoncé ou Mariah Carey - e por que elas também não estão na lista? Os olhos delas são desproporcionalmente grandes. Ela tem olheiras que dão muito trabalho para disfarçar. Os cameramen têm dificuldade no enquadramento e iluminação para reduzir as bolsas em baixo dos olhos depois da noite mal dormida. Ser gostosona é passaporte para estar na lista? Se sim, paciência. Se não, houve um erro e eu tenho que dizer: Juliana Paes é mal-acabada.
Aí Geoff diria, 'good points, well-made'.

terça-feira, 5 de dezembro de 2006

Ctrl+alt+del

Dei um ctrl-alt-del e desliguei o computador. HA como se isto fosse fazer alguma diferença... Voltei até o caixa e paguei por mais um café. Deixei o guarda-chuva cair e me senti ridículo. Tinha voltado a chover. Sentei-me e abri o notebook novamente. Abri uma série de arquivos inúteis e me surpreendi com todos aqueles arquivos antigos e esquecidos. Abri um novo arquivo e descrevi todos os meus companheiros, os Desprevinidos à minha volta. Eles tinham desafiado os elementos. Desconsideraram seus guarda-chuvas, suas capas-de-chuva. Meu desdém, potencializado pelo meu guarda-chuvas, era anulado pela patética chuva torrencial do lado de fora - do meu joelho para baixo eu estaria tão empapado como cada um deles. Lembrei-me novamente do que eu ouvi ao telefone: pois não? ... PORRA, 'POIS NÃO?' Então era a isto que tudo havia sido reduzido. 0. Não O, mas 0. Z-E-R-O. N-A-D-A. Uma porra de 'pois não?'. Isto gerou um caos na minha cabeça. Não pude enxergar a ordem. Logo eu, que ironia. Quando me recuperei, estava de novo em frente ao notebook olhando para aquela mísera tela, com os dedos sobre aquele mísero teclado. É isto: ctrl-alt-del. Restart. Hora de começar a história de novo.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

Ordem & caos


Order and Chaos
Originally uploaded by davebluedevil.
Sempre achei o caos digno de ter sua ordem encontrada. Existe um critério escondido que poucos olhos são capazes de identificar. Mas está sempre lá esperando ser apontado, puxado, trazido à tona ou à baila. Pior para aqueles que aqueles que não conseguem sentir o ritmo, o fluxo, as subidas e descidas a que somos submetidos. E vivem tentando nadar quando se deve flutuar ou manter a cabeça fora d'água quando se deve mergulhar.

sábado, 2 de dezembro de 2006

A rainha está morta

A primeira vez que vi os stills do The Queen fiquei impressionado com a semelhança ou impersonation de Dame Mirren com Elizabeth II. We can go for a walk where it's quiet and dry and talk about precious things like love and law and poverty, these are the things that kill me. Por enquanto, só li críticas do filme que são, quase sempre, bastante positivas. Só que a película deve dizer mais aos britânicos, talvez aos europeus ou americanos, mas pouco aos brasileiros. É muito distante da nossa realidade o que a monarca britânica possa estar pensando ou potenciais angústias que sofra. We can go for a walk where it's quiet and dry and talk about precious things but the rain that flattens my hair, these are the things that kill me. Estamos mais atentos a o que Vossa Majestade Barbuda anda fazendo - como por exemplo, o absolutamente desinteressante eixo África-América do Sul. Em vez de 'anda fazendo' poderia dizer o que 'não anda fazendo'. Muito mais interessante do V.M. Barbuda faz, é o que a periferia brasileira vem fazendo e sendo mostrado pela Regina Casé, ou o Retrato Falado de Denise Fraga. É a vida como ela é. Past the Pub who saps your body and the church who'll snatch your money, the Queen is dead, boys. And it's so lonely on a limb. Por vezes tenho vontade de sair com a minha máquina digital e registrar o cotidiano da rua. Mas sempre achei tudo tão banal, tão pouco digno de registro e receio ter já me acostumado e não conseguir mais me espantar com as particularidades da vizinhança. A República em frente de casa, o cemitério na outra esquina e os estudantes na saída da escola. Past the Pub that wrecks your body and the church - all they want is your money. The Queen is dead, boys. And it's so lonely on a limb.