domingo, 10 de setembro de 2006

Das cotas

O sistema de cotas, reserva de vagas em universidades por critérios raciais e/ou origem escolar, tem o mérito de trazer à tona todos os nossos conceitos latentes sobre o perfil dos universitários. Sabemos como ele é, mas não falamos a respeito. Those we don’t speak of. Fomos privilegiados o suficiente para fazer parte da casta.

Não sou estritamente branco – sou da cor da miscigenação, vim de classe social baixa. Fui perfurando os preconceitos inerentes até me firmar profissional e economicamente. Posso criticar o sistema estando dentro dele. Sofri preconceito racial e social, mesmo sem perceber muito bem. Ofereço uma perspectiva pessoal.

Não havia nenhum negro na minha turma de formandos de Engenharia Química. Eu não conheço ninguém de minorias raciais em posições de liderança na minha empresa, coligadas, clientes ou fornecedores, ou mesmo empresa públicas com quem tenho contato direto. É como se estas pessoas simplesmente não fossem capazes de sê-lo. Sei que existem, temos até mesmo nosso Ministro da Cultura, mas isto está um pouco distante do cotidiano.

Penso que a presença de negros e outras minorias raciais no curso superior via cotas permitirá, a médio e longo prazo, o aumento da presença desta fatia da população em postos chaves. Penso que a convivência e o diálogo vão derrubar barreiras e mudarão perspectivas engessadas das pessoas, algo como o poder do exemplo. Não, não acredito em milagres do dia para a noite. Talvez seja algo para as próximas gerações. Quem sabe até lá, o sistema de cotas poderá até mesmo ser abolido.

Vou me reservar a não falar sobre a necessidade evidente de melhoria do ensino elementar e médio como melhor ação. Seria lugar comum.


5 comentários:

Chris Chuchu disse...

Oi primo do André!! :P
Sabe, sou completamente contra esse sistema de cotas para negros. Acho isso uma grande demonstração de racismo. O caminho não seria esse. Até porque tem muito branco pobre doidinho pra estudar por aí. Então o sistema de cotas deveria ser exatamente pra quem nao tem considções de pagar, seja lá de que cor for... :/
Beijocas!

Renato disse...

eu tbm não acho certo cota pra negros.

se é pra ter cotas para os menos favorecidos, então que sejam eles de todas as etnias.

cota pra negros é tratamento diferenciado. é admitir que não somos todos iguais.

e além do mais, o problema é mais embaixo... na educação de base.

Caco disse...

CHUCHU e RENATO - Adoro polêmicas. Sou a favor por alguns motivos - como aqueles que coloquei no post - e contra por outros - como os de vocês e vários outros por aí.

A pergunta que fica é: há algum meio termo?

Grande abraço e muito obrigado pelo depoimento de vocês.

Omar disse...

Marcos, vc não acha q esse sistema de cotas étnicas, não passa de uma jogada de marketing? Afinal será q apenas os afro-descendentes, por exemplo, estão sendo marginalizados no quesito ensino superior? Vc disse q na sua turma de formandos não tinha negros, mas será q tinha algum branco morador de favela? No Brasil nós temos preconceito racial? Temos, claro q temos, mas será q o preconceito social não é mais forte? Além disso, dividir a nação brasileira em raças não seria o mesmo q instalar o preconceito oficializado?
Essas são algumas perguntas q surgem qdo pensamos no assunto. Abraços

Caco disse...

OMAR - Como sempre, seus comentários são muito pertinentes!
Acho que é uma jogada, só não sei se é de marketing e na faculdade, desconfio que o mais próximo de branco morador de favela era eu!
Talvez concentrar no aspecto racial levasse a um apartheid, mas, por outro lado, vamos pensar em algumas estatísticas, partindo do aspecto social trazido por você: dentre os mais pobres qual será o percentual de negros? Acredito que seja consideravelmente maior que o de brancos.
Pensemos a respeito. Grande abraço.